Nem branco, nem tinto: o vinho “laranja”, uma antiga novidade

orange-wineO vinho laranja, ou Orange wine, como é (pouco) conhecido mundo afora, é um vinho branco, vinificado como um tinto. As cascas de uvas brancas, permanecem em contato com o suco durante a fermentação, por um tempo que pode variar entre alguns dias até cerca de 8 meses, adquirindo assim uma cor alaranjada ou âmbar, textura um pouco mais viscosa e áspera por causa dos taninos.

Na verdade, uma técnica ancestral de produção, que remonta a mais de 8.000 anos atrás na Geórgia, país da Europa Oriental, de onde se tem as mais antigas evidências históricas da produção de vinho de uvas. O principal produtor dos vinhos laranja no mundo é o polêmico enólogo Josko Gravner, que produz alguns rótulos de grande complexidade e bem longevos, na região do Friuli, Itália. O cultivo é orgânico, sem insumos químicos, com amadurecimento de 1 ano em ânforas de barro enterradas no solo e 6 anos em grandes barris de carvalho. Há também produtores na França, Estados Unidos,  Eslovênia, Chile e até no Brasil, com produções limitadíssimas, principalmente no Rio Grande do Sul e  Santa Catarina, como os da vinícola Quinta da Figueira, que se posiciona como uma vinícola de “vinhos disruptivos”.

vinhos-laranja

Características:

Uvas: Ribolla Gialla, Malvasia, Friulano e Trebbiano entre outras na Itália, o principal produtor. Também Chardonnay, Sauvignon Blanc, Moscato…

Cor: Do amarelo dourado ao laranja acobreado. Pode apresentar ligeira turvação, pois em geral não é filtrado.

Aromas: Uma ampla variedade, dependendo da vinificação e amadurecimento: frutas secas, flores como lavanda e jasmim, menta, iodo, cítricos confitados, ou notas oxidativas ou terrosas.

Na boca: Acidez volátil, presença suave de taninos, textura untuosa e em geral marcante mineralidade e longo final.

Notas: Não é um vinho fácil, requer concentração e alguma experiência prática de degustação para traduzir a complexidade bem específica e às vezes intrigante. Ótimo para quem busca descobertas além do óbvio.

Harmonização: frutos do mar, peixes, comidas temperadas, como as asiáticas ou pratos baianos. Inclusive carnes, mesmo vermelhas.

Preço: Devido a sua forma de produção diferenciada e a pequena escala em que é produzido, os preços podem ir de 130,00 (rótulos brasileiros) a mais de 500,00.

Onde encontrar: http://www.quintadafigueira.com.brhttp://www.decanter.com.br

2339-ad-revista-xeque-coluna-paulo-casa-nova-locadora