Galeto, bom demais.

Mais uma vez, foram os imigrantes italianos, estas figuras sempre presentes em nosso imaginário estomacal, que trouxeram esta iguaria para o Brasil, lá pelos anos 30. Ou pelo menos adaptaram por aqui, a “passarinhada” de lá, trocando os passarinhos por frangos abatidos no 1º mês de nascidos. Das colônias do sul, o “Galeto” ganhou o Brasil, com diversos acompanhamentos, como saladas várias, arroz à grega ou com amêndoas e farofa, massas, polentas fritas, até sopa de capeletti, uma deliciosa opção para os dias mais menos quentes.

Coluna 117

Existem Galeterias por todo o país, mas nas cidades de São Paulo e principalmente no Rio são uma verdadeira instituição gastronômica, desde as mais simples, com aquela cara simpática de botequim carioca (azulejos de 2 cores, mesinhas de madeira, um longo balcão e muito bate papo…), até as mais sofisticadas. Em BH, há por exemplo o tradicionalíssimo Galeto Itália, com 21 anos de funcionamento na Savassi. E a mais nova especializada do ramo, a descolada L’Esperto, no Funcionários. Por aqui, o prato costuma entrar e sair de alguns cardápios e infelizmente hoje, não tenho notícia de onde encontrá-lo, o último de que me lembro foi na casa que antecedeu ao atual Gibs, não sei se mantiveram.

Mas a melhor galeteria do mundo pode ser na sua casa. O prato é leve, saboroso, fácil de preparar e combina muito com uma cerveja Lager/Pilsner, se acompanhada de uma farofinha ou fritas. Já no vinho, as combinações possíveis são todas, dependendo do acompanhamento, da temperatura e do seu palpite na hora “H”. Pode ser um tinto mais leve, como Merlot ou Tempranillo, se for escoltado por um arroz à grega, farofa de bacon ou um capeletti ensopado. Um branco mais estruturado ou um rosado, se for acompanhado de massa leve ou polenta.

A principal dica é o tempero, por isso o ideal é marinar os bichinhos com pelo menos 6 horas de antecedência. Pode ser com vinho branco seco, ervas finas, pimenta do reino, lima ou limão siciliano, alho e cebola. Depois, se tiver um braseiro, é o ideal para conservar o sabor dos condimentos. Mas se não, vamos de forno pré-aquecido a 200 graus, metade do tempo coberto com papel alumínio, metade sem, com uma boa lambuzada de manteiga, sopa creme de cebola (aquelas de saquinho) e um pouco de shoyo, para dar aquela dourada, o que deve acontecer depois de cerca de 45 minutos.

Sugestão de acompanhamento: um “Fettuccine al Limone, muito fácil, rápido, leve, gostoso. Para 2 pessoas: 500g de fettuccine grano duro, 200 ml de creme de leite (de preferência fresco) 2 colheres de sopa de manteiga, 2 iguais de parmesão ralado na hora. 1 limão-siciliano, pimenta-do-reino branca e sal a gosto.

Preparo

Coluna 117

Cozinhe a massa em água fervente com sal e escorra. Numa panela grande, em fogo moderado, derreta a manteiga e misture com o suco e as raspas do limão rapidamente. Cuidado para não raspar a parte branca, muito azeda. Acrescente o creme de leite e deixe reduzir, mexendo sempre. Tempere com sal e pimenta. Desligue o fogo e misture a massa. Finalize com o queijo parmesão. Ecco!

Sugestão de harmonização: Um branco aromático, vivo e macio.

Terrazas Torrontes Reserva (Argentina), ou Viu Manent Chardonnay Reserva Estate Colletion (Chile), ou Sauvignon Blanc Evolución Reserva Casa Donoso (Chile).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s