Para beber e cheirar

“Aroma de raposas molhadas correndo sobre um campo outonal nos arredores de uma mansão da era vitoriana…”

Esta alegoria fantasiosa, é um clássica piada para ironizar desavisados que insistem em exagerar poeticamente a descrição das sensações olfativas perante o vinho.

“Enochatos” à parte, um dos grandes prazeres de quem aprecia a bebida é identificar e curtir nela, a plenitude de aromas possíveis. Senão vejamos (ou aspiremos):

Aromas Primários: oriundos da uva, do entorno das videiras e da essência vegetal, onde são trazidos do solo pelas raízes e processados pela planta.  Frutais, florais, de especiarias, herbáceos, minerais…

Aromas Secundários: têm origem nos processos de vinificação, principalmente na fermentação alcoólica. Vinosos, pães, leveduras, massa crua, cogumelos, folhas e frutas secas, baunilha, cedro, coco, madeira tostada…

Aromas Terciários: se formam durante a maturação e o envelhecimento dos vinhos e que misturam odores primários e secundários, evocando compostos mais complexos os quais definimos como bouquet. Couro, tabaco, café, chocolate, torrefação, compotas, caramelo, melado, húmus…e até… suor de cavalo!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s